Refinaria do Ceará fica fora dos planos da Petrobras

17/06/2012 04:45

A refinaria Premium II, cujas obras deveriam começar no próximo ano, está excluída do plano de negócios 2012-1016 da Petrobras, segundo informações do Estado de S. Paulo. A Petrobras não confirma nem nega a informação. Diz apenas que o detalhamento do plano será divulgado no dia 25 deste mês.


 

 

“A Petrobras só irá detalhar e comentar o Plano de Negócios a partir do dia 25, quando teremos uma agenda de divulgação do Plano”, informou a estatal por meio de nota enviada ao O POVO.


 

O projeto, orçado em US$ 10 bilhões, é de responsabilidade da área de refino, a que mais sofreu perdas de investimentos no novo plano, divulgado na última quinta-feira (14), com queda de US$ 5,1 bilhões em relação ao plano do ano passado.


 

O maior impasse em torno da refinaria é sobre o terreno, reivindicado por uma comunidade indígena. Em reunião com a Secretaria de Planejamento do Estado, na semana passada, o gerente de Estruturação do Negócio da Refinaria Premium II da Petrobras, Raimundo Lutif, reclamou bastante da falta de uma definição por parte da Fundação Nacional do Índio (Funai). Ele pediu celeridade na resolução das pendências para liberação do terreno onde será o empreendimento no Pecém.


 

“Estamos em plena revisão do plano de negócios e isso tem que ser resolvido urgentemente”, afirmou. No entanto, na ocasião, ele descartou a possibilidade de o Ceará perder a refinaria definitivamente. “Não tem como deixar de vir o empreendimento”, garantiu na ocasião ao O POVO.


 

Adiamento do projeto


 

A estatal não desistiu da refinaria, segundo fontes do Estado de S. Paulo ligadas à empresa. A retirada do projeto do próximo plano de negócios seria reflexo direto do estilo que a presidente da empresa, Graça Foster, está imprimindo na empresa.


 

Preocupada com metas e prazos, Graça quer evitar que a Petrobras volte a descumprir a previsão de investimento e produção, como aconteceu no ano passado, para frustração do mercado. Por isso, serão retirados projetos que não têm a viabilidade garantida.


 

Na prática, o método de Graça deve elevar a execução dos investimentos, e não apenas com a exclusão de projetos que poderiam ser abandonados no meio do caminho. O documento determina que 88% dos investimentos (US$ 208,7 bilhões) são para projetos com viabilidade financeira garantida.


 

Desconhecimento


 

A notícia do adiamento do projeto da refinaria é uma surpresa, segundo o presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado (Adece), Roberto Smith. “Desconheço isso. Estamos trabalhando fortemente no planejamento da refinaria com a Petrobras. Não temos nenhuma informação e nenhum conhecimento dessa notícia”, destacou.


 

Segundo ele, vários assuntos relativos ao projeto estão sendo tratados simultaneamente para dar viabilidade. No entanto, ele admitiu que os prazos ainda não estão garantidos. “Estamos trabalhando para isso”. (com as agências)