Republicanos já pensam em descartar prévias para definir nome

11/03/2012 21:46

A hipótese é remota, mas começa a sair das notas de rodapé e ganhar espaço na mídia e no Partido Republicano: descartar os resultados das prévias em curso e nomear seu candidato à Presidência dos EUA por aclamação na convenção partidária.


 

 

Para ser o candidato, um aspirante precisa somar, nas prévias partidárias, 1.144 de 2.286 delegados - representantes que votam na convenção, em agosto, distribuídos pelos Estados de acordo com a votação popular. Mas as regras preveem que, se nenhum deles chegar a esse número, a escolha pode virar um debate seguido de aclamação na convenção.


 

A possibilidade foi levantada nesta semana pela CNN, pelo Wall Street Journal e pela ex-candidata a vice-presidente pelo partido Sarah Palin, que se disse “aberta” a ser a nomeada. A campanha do deputado Ron Paul, lanterninha na atual corrida, também declarou ser esta sua estratégia para que ele seja escolhido. A última vez que isso ocorreu no partido foi em 1948, quando o candidato foi Thomas Dewey (derrotado depois por Henry Truman).


 

A hipótese é considerada um risco político e, portanto, recurso de última instância. O favorito, o ex-governador de Massachusetts Mitt Romney, conquistou 406 delegados até agora. É mais do que seus rivais somados, mas não o suficiente para deixar clara sua consagração.


 

Enquanto isso..

Com a disputa prolongada entre os candidatos republicanos que duelam pela indicação do partido e a recuperação da economia dos EUA, o presidente Barack Obama vem subindo nas pesquisas.
 

 

Segundo o site independente Real Clear Politics, que compila diferentes sondagens, o democrata atingiu o maior percentual desde o início da série histórica, em fevereiro do ano passado.


 

O site aponta 49,5% das intenções de voto para Obama em um eventual confronto com Mitt Romney. O conservador teria 44,3% nesse cenário. Contra o ex-senador Rick Santorum, o democrata registraria 50,3% e o republicano, 43,1%.