Torcedor brasileiro ainda não ocupa como deveria as novas arenas de futebol

24/08/2013 13:52

SÃO PAULO - O potencial de público que as novas arenas terão após a Copa do Mundo é motivo de discussão há um bom tempo, e os primeiros números parecem não ajudar aos mais otimistas ou entusiastas. Estádio com melhor aproveitamento de seus assentos desde que abriu seus portões, o Mané Garrincha, em Brasília, tem recebido em média metade de sua capacidade total de público. Já as outras cinco arenas não alcançam sequer esse número.

O caso mais vistoso é o do Castelão, em Fortaleza. Com capacidade para 58.704 torcedores, o estádio recebeu nos últimos cinco jogos do Ceará na Série B do Brasileiro, somados, 37.378 pagantes. Ou seja: juntando o público de todas essas partidas, ainda sobraria lugar. A média de torcedor tem sido de 7.476 torcedores pagantes por jogo, o que faz a taxa de ocupação ficar em pouco mais de 12%.

 

Nem mesmo a oferta de ingressos promocionais têm ajudado a belíssima Arena de Fortaleza a aumentar o número de torcedores em suas dependências. Na terça-feira, quando o Ceará venceu o Guaratinguetá por 2 a 0, o valor das entradas variou de R$ 1 a R$ 60 reais. Mesmo assim, o borderô do estádio apontou que apenas 5.044 torcedores pagaram pelas entradas.

SEU VIZINHO

Em Recife, os números são um pouco melhores comparado ao estádio de Fortaleza, mas ainda assim também longe de empolgar. A Arena Pernambuco, com capacidade para 42.849 torcedores, segundo a Fifa, tem recebido em média 13.230 pagantes por jogo. Nos últimos cinco confrontos em seu gramado, em apenas um o público chegou a 20 mil pessoas. Por outro lado, não mais do que 9.669 torcedores pagaram para ver Botafogo 1 x 1 Fluminense, em 7 de julho.

 

A Arena Fonte Nova, onde o Bahia manda seus jogos no Brasileirão, é a que melhor tem se saído em termos de público nos novos estádios do nordeste. A média do estádio erguido em Salvador tem girado em torno de 21 mil pagantes. O maior público nos últimos cinco confrontos foi registrado no empate do Bahia com o Vitória, em 21 de julho, quando 36.996 pessoas pagaram para assistir ao clássico estadual.

 

MELHORES

Por causa do valor salgado das entradas - que chegaram a custar R$ 250 no clássico entre Vasco e Botafogo -, o público do Maracanã tem se concentrado atrás dos gols, o que muitas vezes faz o torcedor que assiste ao jogo pela TV ter a falsa impressão de estádio vazio. Nas últimas partidas, porém, a média de ocupação do Maracanã tem sido de cerca de um terço dos 73.531 torcedores que o estádio comporta. Vale ressaltar que dois dos cinco jogos foram clássicos regionais.

 

Mineirão e Mané Garrincha são, das "novas arenas", as que mais têm recebido torcedor. Em Minas, a média de público é de 27.173 torcedores. O Cruzeiro manda seus jogos no estádio municipal. Em Brasíliam essa taxa de ocupação chega a bater nos 50%, o que também ainda não é bom. Mas o estádio chegou a receber 61.767 pagantes na vitória do Flamengo sobre o Vasco, em 14 de julho. O Mané Garrincha tem recebido jogos de equipes do Rio de Janeiro, e como a cidade tem bastante torcedor dos times cariocas, a chance de preencher os assentos é maior.

 

Veja a ocupação das novas arenas nas última cinco vezes em que elas foram utilizadas:

 

ARENA PERNAMBUCO

Capacidade: 42.849

Total de público pagante dos últimos 5 jogos: 66.153

Média de público pagante: 13.230

 

Jogos

Náutico 0 x 1 Fluminense, 17 de agosto

Pagantes: 16.583

Renda: R$ 408.615

Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 160

 

Náutico 0 x 0 Atlético-MG, 10 de agosto

Pagantes: 19.997

Renda: R$ 508.430

Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 120

 

Náutico 3 x 0 Internacional, 28 de julho

Pagantes: 19.488

Renda: R$ 517.290

Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 160

 

Botafogo 1 x 1 Fluminense, 7 de julho

Pagantes: 9.669

Renda: R$ 368.550

Ingressos variavam de R$ 30 a R$ 60

 

Náutico 1 x 3 Ponte Preta, 6 de julho

Pagantes: 20.413

Renda: R$ 494.102,00

Ingressos variavam de R$ 18 a R$ 180

 

 

CASTELÃO

Capacidade: 58.704

Total de público pagante nas últimos 5 partidas: 37.378

Média de público pagante: 7.476

 

Jogos

Ceará 2 x 0 Guaratinguetá, 20 de agosto

Pagantes: 5044

Renda: R$ 47.701

Ingressos variavam de R$ 1 a R$ 60

 

Ceará 0 x 1 Atlético-GO, 9 de agosto

Pagantes: 10.716

Renda: R$ 149.695

Ingressos variavam de R$ 1 a R$ 60

 

Ceará 2 x 1 América-RN, 6 de agosto

Pagantes: 9.459

Renda: R$ 132.781

Ingressos variavam de R$ 1 a R$ 60

 

Ceará 3 x 1 Chapecoense, 30 de julho

Pagantes: 6.542

Renda: R$ 82.682

Ingressos variavam de R$ 1 a R$ 80

 

Ceará 4 x 1 ASA, 13 de julho

Pagantes: 5.617

Renda: R$ 87.184

Ingressos variavam de R$ 1 a R$ 80

 

FONTE NOVA

Capacidade: 52.048

Total de público pagante nas últimas 5 partidas: 105.265

Média de público pagante: 21.053

 

Jogos

Bahia 0 x 0 Santos, 18 de agosto

Pagantes: 10.247

Renda: R$ 389.850

Ingressos variavam de R$ 30 a R$ 165

 

Bahia 0 x 3 Grêmio, 11 de agosto

Pagantes: 18.498

Renda: R$ 713.207

Ingressos variavam de R$ 7,50 a R$ 165

 

Bahia 3 x 0 Flamengo, 31 de julho

Pagantes: 26.033

Renda: R$ 1.131.520

Ingressos variavam de R$ 7,50 a R$ 165

 

Bahia 2 x 1 Goiás, 28 de julho

Pagantes: 13.491

Renda: R$ 425.980

Ingressos variavam de R$ 7,50 a R$ 165

 

Vitória 0 x 0 Bahia, 21 de julho

Pagantes: 36.996

Renda: R$ 1.311.982

Ingressos variavam de R$ 7,50 a R$ 165

 

MANÉ GARRINCHA

Capacidade: 68.009

Total de público pagante nas últimas 5 partidas: 173.312

Média de público pagante: 34.662

 

Jogos

Flamengo 0 x 0 São Paulo, 18 de agosto

Pagantes: 44.164

Renda: R$ 2.713.965

Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 220

 

Botafogo 1 x 1 Goiás, 10 de agosto

Pagantes: 23.322

Renda: R$ 1.440.765

Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 200

 

Flamengo 1 x 1 Portuguesa, 7 de agosto

Pagantes: 12.511

Renda: R$ 694.060

Ingressos variavam de R$ 30 a R$ 160

 

Flamengo 3 x 0 Atlético-MG, 4 de agosto

Pagantes: 31.548

Renda: R$ 1.987.775

Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 260

 

Vasco 0 x 1 Flamengo, 14 de julho

Pagantes: 61.767

Renda: R$ 4.071.470

Ingressos variavam de R$ 25 a R$ 260

 

MARACANÃ

Capacidade: 73.531

Total de público pagante nas últimas 5 partidas: 115.554

Média de público pagante: 23.111

 

Jogos

Botafogo 4 a 2 Atlético-MG, 22 de agosto

Pagantes: 16.153

Renda: R$ 668.975

Ingressos variavam de R$ 10 a R$ 150

 

Fluminense 1 x 0 Goiás, 21 de agosto

Pagantes: 16.600

Renda: R$ 260.420

Ingressos variavam de R$ 10 a R$ 120

 

Botafogo 3 x 3 Internacional, 15 de agosto

Pagantes: 15.047

Renda: R$ 479.645

Ingressos variavam de R$ 30 a R$ 150

 

Fluminense 0 x 0 Corinthians, 14 de agosto

Pagantes: 13.237

Renda: R$ 341.740

Ingressos variavam de R$ 20 a R$ 180

 

Fluminense 2 x 3 Flamengo, 11 de agosto

Pagantes: 29.538

Renda: R$ 1.793.425

Ingressos variavam de R$ 20 a R$ 180

 

Vasco 2 x 3 Botafogo, 4 de agosto

Pagantes: 24.979

Renda: R$ 1.375.320

Ingressos variavam de R$ 40 a R$ 250

 

MINEIRÃO

Capacidade: 57.483

Total de público pagante nas últimas 5 partidas: 135.867

Média de público pagante: 27.173

 

Jogos

Cruzeiro 2 x 1 Flamengo, 21 de agosto

Pagantes: 33.645

Renda: R$ 1.660.580

Ingressos variavam de R$ 35 a R$ 170

 

Cruzeiro 5 x 1 Vitória, 17 de agosto

Pagantes: 14.369

Renda: R$ 670.185

Ingressos variavam de R$ 35 a R$ 130

 

Cruzeiro 0 x 0 Santos, 11 de agosto

Pagantes: 27.444

Renda: R$ 1.310.520

Ingressos variavam de R$ 35 a R$ 130

 

Cruzeiro 1 x 0 Coritiba, 3 de agosto

Pagantes: 25.108

Renda: R$ 1.298.440

Ingressos variavam de R$ 35 a R$ 130

 

Cruzeiro 4 x 1 Atlético-MG, 28 de julho

Pagantes: 35.301

Renda: R$ 1.792.900

Ingressos variavam de R$ 40 a R$ 130