Casa Branca repudia ataque e aumenta pressão

Casa Branca repudia ataque e aumenta pressão

A Casa Branca e o secretário de assuntos externos britânico condenaram ontem o massacre que matou pelo menos 86 pessoas na Síria, segundo a oposição ao governo de Bashar al Assad. O governo sírio nega. Segundo a agência de notícias “Sana”, o regime disse que o ataque foi feito por terroristas, e que apenas nove pessoas foram mortas.


Em nota, a Casa Branca disse que “os Estados Unidos condenam fortemente os ultrajantes assassinatos de civis, incluindo mulheres e crianças, em Al-Qubeir, província de Hama, como relatado por várias fontes credíveis”.


Segundo o governo americano, o ataque e a recusa da Síria em deixar que observadores da ONU (Organização das Nações Unidas) verifiquem os relatos são “uma afronta à dignidade humana e à Justiça”. Mais cedo, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, disse que Bashar al Assad deveria abandonar seu país, considerando “inadmissível” o ataque.


Segundo o jornal Guardian, William Hague, secretário de assuntos externos e primeiro-secretário do Estado britânico disseque “se o plano Annan não funciona, então temos de voltar ao Conselho de Segurança da ONU para propor medidas mais robustas e eficazes”.


China e Rússa, por outro lado, manifestaram firme oposição a qualquer “intervenção armada externa” na Síria e a “qualquer tentativa” de forçar uma queda do governo do presidente Bashar al-Assad,. èça China, falou o representante na ONU, Li Baodong. O ministro russo de Relações Exteriores, Serguei Lavrov, disse que o país vai vetar no Conselho de Segurança qualquer texto que autorize uma intervenção externa na Síria.