Em 5 anos, dobra nº de estrangeiros aprovados em teste oficial de português

Em 5 anos, dobra nº de estrangeiros aprovados em teste oficial de português

Em cinco anos, mais que dobrou o número de estrangeiros aprovados no único exame de certificação que mede a proficiência em língua portuguesa, o Celpe-Bras. De 2007 a 2012, o número de candidatos certificados saltou de cerca de 3 mil para mais de 6,6 mil. A maioria deles faz o exame para cumprir a exigência de ingresso nos cursos nacionais de graduação e pós-graduação e também para trabalhar no País.

 

Reconhecido pelo governo brasileiro, a primeira aplicação do Celpe-Bras foi feita pelo Ministério da Educação (MEC) em 1998. Mas, desde o segundo semestre de 2009, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) é o responsável pelo exame.

 

O aumento do interesse de estrangeiros pelo teste também se reflete no crescimento na quantidade de inscritos. Nos últimos cinco anos, o número de participantes pulou de 4,2 mil em 2005 para 7,5 mil inscritos no ano passado – aumento de mais de 70%.

 

Os dados coletados com o MEC e o Inep ainda mostram que o maior número de participantes é de candidatos latino-americanos, vindos especialmente da Colômbia, Bolívia, Equador e Peru.

 

É no exterior que fica a maior quantidade de locais de aplicação da prova (47). Os estrangeiros que já estão no País podem fazer o exame em 22 postos.

 

Para o presidente do Inep, Luiz Cláudio Costa, um dos aspectos que explicam esse aumento é a intensificação da difusão da língua portuguesa nos últimos anos. "Nosso País adquiriu destaque mundial, tanto no que diz respeito à questão política, quanto na realização de eventos de importância internacional, como a Jornada Mundial da Juventude, a Copa do Mundo e Olimpíada."

 

 

 

Economia

 

Além dos grandes eventos, a ascensão econômica do País nos últimos anos é outra justificativa que explica o crescimento da procura pelo teste. Em determinadas carreiras, como Medicina, é exigida a comprovação de fluência no idioma.

 

"Existe hoje um quadro favorável à importação de estrangeiros de maior qualificação. O País hoje tem escassez de mão de obra qualificada", afirma José Botafogo Gonçalves, vice-presidente do Centro Brasileiro de Relações Internacionais.A crise econômica na União Europeia, principalmente em países como Espanha e Portugal, intensifica ainda mais o fluxo de estrangeiros ao Brasil.

 

E a necessidade de dominar a língua portuguesa vai depender da complexidade da atividade que esse estrangeiro vai desempenhar, afirma o professor de Economia Internacional da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, Evaldo Alves. "As empresas privadas vão preferir sempre aquele que tenha mais fluência. Por isso o aumento da procura pelo exame."

 

 

 

Estudo

 

O interesse por cursos de graduação e pela pós-graduação em instituições de ensino superior no País também contribui para o crescimento no número de estrangeiros que se inscrevem no Celpe-Bras.

 

É o caso da equatoriana Jenny De La Rosa, de 43 anos, que precisou aprender o português para ser selecionada na pós-graduação em Design do Centro Universitário Senac (SP). "A parte escrita da prova foi difícil. O português tem outra estrutura gramatical", diz.

 

Mesmo ciente da dificuldade, ela passou no nível avançado. "Para ganhar a bolsa e conseguir fazer o curso, tem de fazer o teste", fala Jenny.

 

Sobre o teste

 

Como exame de proficiência, o Celpe-Bras avalia as habilidades exigidas para realizar estudos ou desempenhar funções de trabalho no Brasil ou no exterior, quando o uso do português se faz necessário.

Quer dizer, no teste é trabalhado o uso da língua em situações corriqueiras, como em relatos, compras e idas ao médico.

Em 2012, do total de inscritos, apenas 2% conseguiram atingir o nível avançado superior – o mais alto. A grande maioria (80%) obtém um certificado de nível intermediário e intermediário superior.

 

 

 

Como funciona a avaliação

 

1. Parte escrita: com duração de 3 horas, traz tarefas de compreensão, leitura e produção de texto

2. Parte oral: com duração de 20 minutos, destaca conversas comuns e situações do cotidiano

3. Resultado: para obter o certificado, o examinando deve alcançar bom desempenho nas duas partes

4. Níveis: são quatro: intermediário, intermediário superior, avançado e avançado superior

Três perguntas para...

Claudio de Moura Castro

Economista e especialista em Educação

 

 

1. O aumento no número de estrangeiros certificados em português é significativo?

 

 

O crescimento está relacionado ao aumento do interesse em investimentos econômicos no Brasil. Mas, ainda assim, o número é pequeno quando comparado a outros certificados internacionais. No Toefl (exame americano que atesta o nível de inglês), anualmente milhões fazem o exame.

 

 

 

2. A maioria dos interessados no Celpe-Bras ainda são latino-americanos. Para quem fala espanhol, o português é difícil?

 

 

Sim, é uma língua difícil para os espanhóis aprenderem. Mas o espanhol e o português têm mais de 85% de palavras com raízes comuns. Mesmo com a raiz comum, é precisoadivinhar o que significa a derivação. Aí é que está a dificuldade. Além disso, a língua portuguesa tem mais sons que a língua espanhola, o que dificulta o aprendizado pelos hispânicos.

3. E em comparação com outras línguas estrangeiras, o português é mais complicado?

 

 

Quando analisamos o inglês, por exemplo, é muito mais difícil de transcrever o que se ouve, mas tem uma gramática muito mais simplificada que a língua portuguesa. Já comparando o português com outros idiomas, como alemão, russo e mandarim, por exemplo, há menos declinação linguística (flexões de gênero e número).