Ex-Corinthians e Santos, Piá é preso pela terceira vez ao roubar banco

Ex-Corinthians e Santos, Piá é preso pela terceira vez ao roubar banco

O ex-jogador Piá, de 41 anos, que durante sua carreira defendeu Corinthians e Santos, foi preso em flagrante na noite da última sexta-feira, em Bauru, interior de São Paulo, ao tentar roubar um caixa eletrônico de um banco. Na companhia de outro homem, ele usava um "chupa cabra" para tentar pegar os envelopes depositados no terminal. As informações são do site JCNET, de Bauru.

Essa é a terceira vez que Piá é detido pelo mesmo crime - antes já acumulava passagens por porte de drogas e armas, além de falta de pagamento de pensão. O ex-atleta estava em liberdade provisória, depois de ser detido em abril na cidade de Americana. Em janeiro, ele já havia cumprido 21 dias de detenção após ser indiciado por tentativa de furto qualificado a um caixa eletrônico de Campinas.

Piá, que se chama Reginaldo Revelino Jandoso, já havia roubado um caixa eletrônico antes de ser detido nesta sexta-feira. Por volta das 21h, a polícia foi informada que o alarme de uma agência bancária no bairro Bela Vista estava disparado. Lá, encontraram indícios do uso de instrumentos para “pescar” envelopes de depósitos. Minutos depois, soou o alarme de outro banco, na Vila Falcão, onde o ex-jogador e seu comparsa, Humberto de Oliveira Leite, foram presos.

Com a dupla, foram encontrados os envelopes, ferramentas e peças utilizadas para os furtos. Piá estava com quase R$ 10 mil em cheques. Os dois criminosos foram transferidos para o Centro de Detenção Provisória de Bauru.

Desde quando ainda era atleta, Piá já tinha antecedentes criminais. Ainda como jogador profissional, quando atuava pela Ponte Preta, em 1999, foi absolvido de uma co-autoria de assassinato de um mecânico, em uma lanchonete em Limeira. Na oportunidade, a acusação era de que ele foi o responsável por dar ordem para um primo pegar o revólver em seu carro e atirar na vítima. Ainda contra ele, pesam porte de drogas e de armas em sua ficha.

Seu último trabalho foi como auxiliar técnico pelo União São João de Araras, ano passado. O auge da carreira aconteceu entre 1999 e 2003, na própria Ponte Preta, que chegou às semifinais do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil e nas quartas do Campeonato Brasileiro durante esse período.

Fonte: Lancenet