Ganso é cortado e mantém triste sina de lesões na Seleção

Ganso é cortado e mantém triste sina de lesões na Seleção

O meia Paulo Henrique Ganso, do Santos, foi cortado da Seleção Brasileira, que disputará uma série de amistosos nos Estados Unidos. Por conta de uma cirurgia a ser realizada após o compromisso desta quinta-feira do clube de Vila Belmiro, contra o Vélez Sarsfield, pelas quartas de final da Copa Libertadores, o camisa 10 do time alvinegro não terá condições físicas de defender a equipe comandada por Mano Menezes.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) emitiu um comunicado no final da tarde desta quarta-feira confirmando o corte do meia santista. Ganso será submetido a uma artroscopia no joelho direito na próxima sexta-feira, a qual tirará o jogador de atividade por um período de duas semanas. A operação tem como objetivo retirar resíduos da antiga intervenção médica realizada em 2007, quando o atleta ainda atuava nas categorias de base do clube.

Por conta da necessidade de cirurgia, o Santos enviou um laudo para José Luiz Runco, médico da Seleção, para pedir o corte do jogador. Assim, o camisa 10, candidato a um lugar entre os titulares da formação de Mano Menezes, estará fora dos amistosos contra os Estados Unidos, no próximo dia 30, em Washington; México, no dia 3 de junho, em Dallas; e Argentina, seis dias depois, em Nova Jersey.

A proble,a amplia uma triste rotina para Ganso na Seleção. Mesmo sendo considerado o jogador para ser o camisa 10 na Copa do Mundo de 2014, o santista jogou apenas seis partidas como titular - sendo que em uma atuou apenas 10 minutos antes de se lesionar - e duas como reserva. Ao todo, já são 21 jogos disputados na era Mano Menezes, e as contusões o tiraram de 62% das partidas.

Ganso jogou contra os Estados Unidos na estreia de Mano Menezes, mas depois ficou sete partidas afastado por causa do rompimento do ligamento do joelho. Voltou na Copa América, mas na sequência se lesionou no amistoso contra Gana em setembro do último ano. Retornou no jogo contra a Bósnia em fevereiro e ficou na reserva.

Ganso, contudo, não preocupa para a Olimpíada de Londres. O jogador deve retornar às atividades em pouco mais de 15 dias, período suficiente para o meia recuperar o ritmo de jogo pelo Santos e se apresentar para o grupo final de 18 jogadores que buscarão a medalha de ouro inédita para o País pentacampeão mundial.