Haddad diz que não há possibilidade de reverter aumento da tarifa do transporte

Haddad diz que não há possibilidade de reverter aumento da tarifa do transporte

Em entrevista coletiva na noite desta quinta-feira, 13, o prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou que não há nenhuma possibilidade de reverter o aumento da tarifa e afirmou que o Movimento Passe Livre recusou o diálogo. Ele também disse que repudia a violência, seja ela por parte dos manifestantes ou da Polícia Militar.

 

"Não pretendo rever o preço do transporte público porque o esforço que foi feito ao longo do ano para que o reajuste da tarifa fosse muito abaixo da inflação foi enorme. Ele vai significar investir mais 600 milhões em subsídios", disse Haddad.

 

Ele afirma que o único sinal que pode dar para o movimento é cumprir os compromissos de campanha, de implantar o Bilhete Único Mensal, criar corredores de ônibus e manter o reajuste das passagens abaixo da inflação. "Houve uma campanha eleitoral, ninguém se manifestou. Sempre expressei minha opinião sobre o assunto, me comprometi com reajuste abaixo da inflação", afirmou.

 

Haddad reafirmou que considera "legítima toda e qualquer forma de manifestação e expressão". "São Paulo é o berço das manifestações. O que São Paulo não aceita é a violência. De qualquer parte", disse.

 

O prefeito afirmou que ninguém no movimento se responsabiliza pelos atos que promovem. "É o que eles próprios dizem, que não se coordenam, não há responsáveis, ninguém se apresenta como responsável pelo que está acontecendo", afirmou.

 

Questionado sobre o apoio da Juventude do PT, que manifestou apoio ao movimento, Haddad afirmou que se tratam de posições individuais. " Os indivíduos são livres para expressar sua opinião independentemente de pertencer a esse ou aquele partido. A pessoa é livre para expressar sua opinião. Uma coisa é a opinião individual, outra coisa é a posição partidária", afirma.