PSB cogita aliança sem o PT em Fortaleza

PSB cogita aliança sem o PT em Fortaleza

O PSB trabalha a sucessão municipal em Fortaleza com três possibilidades: manutenção da aliança, lançamento de nome próprio para a disputa e esperar as definições das siglas aliadas. Às vésperas de realizar um encontro com o PCdoB, o presidente municipal da legenda em Fortaleza, Karlo Kardozo, garante que existe a possibilidade de apoio de uma outra sigla que não seja o PT.

Segundo Kardozo, dentro do partido existem três linhas de pensamento visando as eleições de outubro próximo. A primeira, defendida algumas vezes por Ivo Gomes e Ciro Gomes, é a de lançamento de uma candidatura própria, já no primeiro turno, deixando de lado a aliança com o PT, que já dura oito anos. Para o segundo turno, as alianças seriam novamente discutidas, principalmente com os partidos que dão sustentação à atual administração de Fortaleza.

Uma segunda tese é de que o partido mantenha a atual composição, já no primeiro turno, com o PT na cabeça, mas com um processo de reavaliação das prioridades entre os partidos. "Nesse ciclo de oito anos que se encerra, o PSB não teve inserção direta na administração e esta é a defesa que faço. Que aponte a continuidade desse processo, mas que o PSB tenha real participação", disse Kardozo.

Uma terceira via, que tem a defesa da maioria do partido, conforme assegurou, é a de se esperar mais um pouco para ver as definições das siglas aliadas. Segundo ele, no próximo encontro com o PT, os debates serão aprofundados, na esperança de uma revisão do modelo atual da aliança, uma vez que isso não ocorreu na primeira reunião.

Proposta

"Vi Raimundo Ângelo falando dessa história do conselho político. Essa proposta havia sido deliberada em 2004 quando elegemos a primeira gestão da Luizianne e nunca se concretizou. Teve oito anos e não aconteceu. Precisamos ter certeza disso daí. Acaba que a gente corre o risco de fazer aliança com o mesmo grupo e não temos nenhuma certeza", criticou o dirigente.

A conversa para a realização de um debate entre PCdoB e PSB surgiu durante festa de 90 anos do partido comunista, quando os dirigentes das duas legendas se propuseram a fazer uma avaliação do processo de alianças dos últimos oito anos e analisar tal conjuntura política.

Karlo Kardoso enfatizou ainda, que existe, sim, a possibilidade de haver o fim da aliança com o PT e coligação com outro partido. "Não descartamos isso, mesmo se formos lançar uma candidatura própria ou apoiar outro candidato. Nós já apoiamos o Inácio (Arruda) em outros momentos, e não descartamos essa possibilidade", relatou.

Aval

Segundo ele, está havendo um diálogo interno entre as executivas Municipal e Estadual, e todas as movimentações estão tendo o aval da liderança maior do PSB no Ceará, o governador Cid Gomes. Para ele, não está havendo orientação de Cid de como ele proceder nos encontros com dirigentes de outras siglas, mas o incentivo para a formação de um modelo de política.

O partido pretende conversar ainda com os representantes do PMDB, mas o diálogo ainda não foi marcado. No entanto, garante Karlo Kardoso que o presidente estadual do PMDB, Eunício Oliveira, já se comprometeu em acompanhar Cid Gomes em seu posicionamento.

Está sendo agendada para a próxima semana uma nova reunião entre as executivas municipais de PT e PSB, visando a discussão sobre as eleições. No entanto, no primeiro encontro, ocorrido em abril, pouca coisa avançou, visto que quem decide os rumos das agremiações são seus presidentes estaduais, Luizianne Lins e Cid Gomes.

Debate

Outros debates devem acontecer até o final desta semana, entre PTdoB e PTC, este último tem filiados que são ferrenhos opositores à administração petista. "Estamos no processo de maior dificuldades, mas as reuniões que estão acontecendo estão garantindo um bom diálogo", ressaltou o presidente municipal do PT, Raimundo Ângelo.

Ele garante que todas as conversas que estão sendo realizadas com dirigentes partidários estão tendo o reconhecimento da prefeita Luizianne. "A ideia agora é traçar mesmo a construção de uma aliança", diz Ângelo. "O PT tem abertura política para isso. A Luizianne é uma liderança bastante democrática. Nunca nos opomos ao debate. Queremos a participação de todos para construirmos juntos este processo. Precisamos concluir logo as alianças, porque existem questões que precisamos colocar em um plano de Governo", disse o presidente municipal.

 

Fonte: Diário do Nordeste