Rio mais 20: Dilma quer que hotéis reduzam preços

Rio mais 20: Dilma quer que hotéis reduzam preços

A menos de dois meses da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), de 20 a 30 de junho, o Governo federal, deputados e senadores descobriram que o preço dos hotéis na capital fluminense, durante a reunião, se transformou em um problema. A presidente Dilma Rousseff pediu ontem aos ministros-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e do Turismo, Gastão Vieira, que tentem achar uma solução.

 

Na Câmara dos Deputados, a Comissão de Turismo quer convocar o setor hoteleiro para dar explicações. No Senado, a Comissão de Relações Exteriores aprovou uma resolução em que pede ao prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), que intervenha no assunto.


O tema veio à tona esta semana, depois que o Parlamento Europeu declarou que havia cancelado o envio de uma delegação ao evento por conta dos altos custos de hospedagem. A conta poderia chegar a 100 mil euros, 10 vezes mais do que o orçamento inicial preparado pelos europeus. Outras delegações também diminuíram o número de participantes por conta dos preços, até 60% maiores do que o normal em uma cidade que já cobra caro pelas vagas em seus hotéis.


A presidente pediu à chefe da Casa Civil que se reunisse nesta sexta-feira com o ministro do Turismo para ver o que seria possível fazer. Foram chamados representantes dos ministérios da Fazenda, Justiça, Turismo, Receita Federal, Embratur e do setor hoteleiro do Rio. Apesar de reconhecer que o preço dos hotéis é uma questão de mercado, o fato de delegações já terem anunciado a redução acendeu o sinal vermelho. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, destaca que, apesar dos preços, a participação na conferência será alta. São esperados 116 chefes de Estado ou de governo. No entanto, para esses, o custo da hospedagem é bancado pelo Brasil e pela Organização das Nações Unidas (ONU). O restante das delegações paga do próprio bolso ou tem a sua despesa custeada pela organização da qual faz parte.


O alto custo fez com que a Câmara dos Deputados brasileira decidisse não ter uma delegação oficial para evitar pagar as diárias cobradas pelos hotéis cariocas, a menos que haja uma redução nos preços. (das agências)