Zona sul de São Paulo ganha mural do Chaves

Zona sul de São Paulo ganha mural do Chaves

Quem passa pela rua José Rafaeli, travessa da Avenida Guarapiranga, na zonal sul de São Paulo, logo se impressiona com a gigantesca arte que estampa o muro de 80 metros de comprimento de uma fábrica de plásticos. Chaves, Dona Florinda, Kiko, Seu Madruga, Professor Girafales, Chiquinha e a Bruxa do 71: nunca antes os personagens do seriado mexicano Chaves estiveram tão vivos na capital paulista.

O desenho desperta o interesse dos curiosos. De crianças a adultos. Buzinas ensurdecedoras logo interrompem a reportagem do Estado, que visitou o local no início da semana passada. “Nossa, ficou muito bonito. Homenagem justíssima”, berrou um motorista. “Lá vem o Chaves, Chaves, Chaves”, brincou outro motoqueiro que circulava pela região.

A obra pertence ao artista plástico Paulo Terra, que, ao lado do irmão Pedro Terra e dos grafiteiros Cristiano Batista, Edy e Cristiano Ramos, idealizou o projeto no começo deste ano. Segundo eles, trata-se de uma grande homenagem ao ator e diretor Roberto Gómez Bolaños, intérprete dos personagens Chaves e Chapolin, que morreu em 28 de novembro do ano passado. 

“A gente dividiu os trabalhos. Enquanto dois meninos pintavam o fundo, eu e meu irmão (Pedro) desenhávamos o rosto dos personagens. O mural estava completamente deteriorado com pichações. Nós estávamos procurando um lugar assim para desenvolver o trabalho. Daí achamos esse local. Contei a história para o presidente da empresa, que, gentilmente, forneceu o espaço para a nossa arte”, afirma Paulo.

Os grafiteiros, que tiraram dinheiro do próprio bolso, mas contaram com o patrocínio de duas empresas para terminar de pintar o mural, estimam que gastaram, ao todo, R$ 6 mil. Cada personagem tem, em média, 7 ou 8 metros de comprimento. “A ideia era retratar a vila mais famosa do mundo. O seriado marcou a vida de muita gente, incluindo a minha e a do meu irmão. Nada mais justo do que prestar esse tributo”, ressalta Paulo. A popularidade dos personagens de Bolaños no Brasil é tanta que, em dezembro, após sua morte, o SBT - que exibe os episódios de Chaves desde 1984 - organizou uma exposição sobre o ator no Memorial da América Latina. Fãs fizeram filas e esperaram horas para poder entrar em uma reprodução da Vila do Chaves.

As pinturas foram feitas ao longo de 26 dias. Este, no entanto, não é o primeiro mural em homenagem ao ator mexicano. No início do 2015, Paulo já havia pintado um outro com todos os personagens interpretados pelo ator. Chapolin, Chispirito e Doutor Chapatim estão em um muro do bairro do Campo Limpo, também na zona sul de São Paulo.

Paulo, que grafita há mais de 20 anos, ainda planeja outros murais. O artista quer fazer uma pintura para homenagear Chico Anysio e seus personagens clássicos, incluindo Alberto Roberto, Bento Carneiro, Coalhada, Painho e Pantaleão. “O humor é algo que edifica a sociedade. Toda forma de fazer com que as zonas periféricas da cidade fiquem mais bonitas é válida”, complementa Paulo.